segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Diferença de salários nas carreiras policiais no Brasil chega a 268%, revela estudo

A despeito das similaridades de funções, ser investigador da Polícia Civil hoje no Brasil é ver as remunerações da carreira variarem até 268% de um Estado para outro. A situação não é muito diferente na Polícia Militar: a variação de salário de um soldado pode chegar aos 200%, dependendo da unidade federativa a que ele esteja subordinado.
O documento listou os dados de salários das carreiras policiais e outras informações que compõem um cenário da segurança pública no país. A pesquisa se valeu de dados de secretarias estaduais de segurança pública e de órgãos do governo federal, como o Ministério da Justiça e a Secretaria Nacional de Segurança Pública, a ele vinculada.Os números constam do 7º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, estudo realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e divulgado na semana passada em São Paulo.
Na pesquisa de salários divulgada pelo Anuário, tanto as posições de comando nas polícias como a de oficiais a eles subordinados têm variações que facilmente superam os 100%. Ao todo, no Brasil, são cerca de 520 mil policiais.
No caso de coronel, por exemplo, patente mais alta da PM listada pelo Anuário, a variação chega a 144% dados os R$ 21.531,36 recebidos no Paraná aos R$ 8.800 pagos a um coronel no Estado do Pará –uma diferença superior a R$ 12 mil mensais.
Ainda na PM, a variação é ainda maior na remuneração de soldados: enquanto no Rio Grande do Sul são pagos ao cargo R$ 1.375,71 mensais, no Distrito Federal o valor chega a R$ 4.122,05, ou 199,7% a mais.
Entre as carreiras da Polícia Civil, a variação entre as remunerações de delegados ultrapassam os 180%, equivalentes à diferença entre os R$ 18.837 pagos a um delegado do Estado do Mato Grosso e os R$ 6.709,32 pagos no Estado mais rico da federação, São Paulo.
Também na Polícia Civil, mas na função de investigador, a variação atinge os 268% tendo em vista a diferença do que é pago na polícia gaúcha, R$ 1.863,51, e na mato-grossense, R$ 6.854.

Discrepância de salários afetam qualidade, diz pesquisador

Para o pesquisador Luis Flavio Sapori, membro do Fórum Brasileiro de Segurança e um dos autores do Anuário, a discrepância entre o que é pago não apenas a carreiras idênticas, em Estados distintos, como às polícias, reflete diretamente na qualidade do serviço prestado e na relação entre as próprias instituições policiais.
"Esse é um grave problema e provoca animosidade na relação das diversas carreiras: você tem uma desigualdade muito acentuada nos benefícios e nos bônus dos quais eventualmente esses policiais podem usufruir, internamente, e se cria um sentimento de injustiça nas carreiras da base", afirmou o sociólogo, que também coordena o Centro de Pesquisas em Segurança Pública da PUC-MG (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais).
"Essas diferenças grandes de remuneração abalam o grau de motivação e, obviamente, na qualidade do trabalho. À medida em que esse corporativismo fica mais acentuado, a organização policial perde a noção de coletividade que ela carrega", complementou.
O Anuário completo está disponível para download no site do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
****************************************************
NOTA DO EDITOR: Este é um assunto que todo ano é repisado, porém os governantes fazem ouvido de mercador e continuam a tratar os assuntos da segurança pública com extremo descaso e amadorismo. 
Recentemente tivemos a aprovação do reajuste para os Delegados de Polícia, PL 381/2013, sendo que foi descumprida a promessa de tratamento similar aos Oficiais da carreira de nível superior da BM. E agora como fica, vamos ficar inertes diante desse descaso e  afronta injustificáveis do governo!!!
Nossa entidade de classe está em silêncio preocupante, os associados estão a cobrar alguma notícia acerca do ocorrido, temos algo em andamento, ou esperamos pelo Papai Noel???
Nos períodos eleitorais, é o caso do ano vindouro, aparecem os milagreiros, que prometem o que sabemos que não vão cumprir, mas a sina certamente vai se repetir: continuamos a eleger aqueles que prometem o que queremos ouvir, porém sabemos que não vão cumprir!!!
Uma boa iniciativa seria registrar em cartório as promessas de campanha, pois isso possibilitaria uma cobrança mais efetiva, após as eleições, portanto é uma sugestão desse blog para nossos representantes.

Um comentário:

  1. Não foste na AsOfBM buscar informações? Abraços.

    ResponderExcluir